Passo a passo: Saída em 1 contra 1

Muito se diz e contradiz sobre esse fundamento do goleiro. Em um lance mano a mano contra a responsabilidade maior é do centroavante, porém nós goleiros somos a posição no futebol que mais evoluímos nesses últimos anos não é verdade? Sendo assim deixamos a cobrança existir nesse quesito.

Para complementar o conteúdo do vídeo vamos esquecer o futebol e vamos as aulas de balé. O que tem a ver o balé com a técnica do mano a mano? Vamos chegar lá. No balé o chamado “espacate” é uma palavra oriunda do idioma italiano e significa abrir as pernas em 180˚, preparadores de goleiros do futsal descobriram que o movimento poderia ser útil nas quadras além da abertura das pernas, braços abertos e tronco ereto bem treinados podem fechar todo ângulo do jogador de linha nas quadras, devido ao gol pequeno.

Levada para o campo a técnica do espacate vem sendo bem treinada. Muitas vezes até confundida com a saída em “X” do handebol, tem feito a diferença na Europa, e no Brasil começa a ter a real importância e treinada pelos nossos preparadores de goleiros, afinal o que vem para somar e ajudar é sempre bem vindo.


___

Fonte: Voa Goleiro • por Valdir Bardi

Anúncios

6 Reasons Parents Should NOT Watch Practice


The idea for this article struck me as I sat in my car after dropping off a carpool of girls to practice last week. I was scheduled to drive the carpool both ways and it made sense to stay at the fields for practice as the fields were 30 minutes from my house.

As I sat in my car at the sports complex that includes 12 turf fields – I was witness to a long stream of players and parents marching off to training. It is a big complex and I understood that parents of the young players wanted to be sure their child made it to the proper field, so an escort to training was in order. However, when I started noticing parents walking with older players, and parents carrying blankets to keep warm and one even carrying a portable heater – it struck me that many of these parents were planning on hanging out on the sidelines to watch practice.

I know how rewarding it can be to watch your child practice and improve. As I watched from my car, the anticipation and excitement of many of the fast-walking parents as they herded their players along was nearly palpable, as I have felt it before.

Up until this year, for the past 3 years, I had attended just about every single one of my daughter’s practices. I wasn’t on the sidelines watching, I was on an adjacent field coaching and only periodically involved with her training. While my attention was obviously on the players I was working with, I couldn’t help but steal a glance in the direction of my daughter at a water break and I will even admit a time or two when the water break was extended for an extra 30 seconds or so, in order for me to watch her on the ball.

I loved watching her practice.

I loved watching her practice because of how it made me feel….Never really taking into account how my presence in her team environment made her feel.

Now, after 6 months of not being at the fields for her practices, I clearly see the benefits of my distance.

6 Reasons Parents Should NOT Watch Practice

1. A parent’s role in their child’s sports endeavor is to be supportive

(listen to this SoccerParenting.com interview with Sport Psychologist Dan Abrahams about a parent’s role) and encouraging. When parents watch practices – it leads to comments outside of this role. We find ourselves saying things such as “You should pay better attention to the coach when they are talking” or “You kept passing to the other team, you need to be more focused” or “I sure wish you would try harder.” When we watch practices, we open the door to talking about a part of their sports endeavor we should not be talking about.

2. Sometimes it’s better not to know.

It’s better not to know if our child isn’t paying attention, or if our child is struggling with the speed of play and giving the ball away, or if our child is not working as hard as we know they can. It’s better not to know because when we do know these things, the stress creeps in.What our child needs to receive from us is our support, not our stress. They need to know that we believe in their ability to be their best. When our child feels our stress, they hear “You should have done better” instead of “I believe in your ability to be your best.”

3. When we watch practices, there is a clear shift in the dynamic between our child and their team and coach.

After all, as parents, we are the most authoritative figure in our child’s life. Naturally, they will feel different when we are watching practices. We limit our child’s ability to be a teammate when we insert ourselves into their team dynamic, even if it is from the bleachers or from a distance.

4. Being a teammate is an honor and a responsibility.

Our children must learn to play for their teammates and their coach, not for us. When we are in attendance, they are naturally playing for us – to show off to us, to win our approval. We need to allow our children to concentrate not on winning our approval, rather on winning the approval of their teammates and coaches through their personal level of commitment (see 5, below).

5. Our child’s commitment to their team needs to be a decision they make, it can’t be anything we try to facilitate.

If we are involved in this decision, our children will eventually burn out or lose interest. If we want to support our children as they develop an identity as an athlete and team member, we must allow their commitment to their team to come from within them. When we are too involved, we hamper this development.

6. Parents should have better things to do than watching practice.

If we put our children front and center in our lives, to the point that we are bringing heaters out to training so WE can stay warm and watch, like I witnessed the other night, we are putting too much pressure on the them. We are quietly telling them that our happiness, in some way, depends on their performance. That’s too much pressure. Our happiness should depend on us – on the walk or run we could take, on the book we could read, on the other things we could accomplish in the hour and a half of their training.

When the girls got back into the car the other night I announced my idea for this article and was met with a resounding “That’s a great idea!” I found this quick response interesting because while the girls in the carpool have parents that may watch the last 10 minutes of training before picking them up (I do this as well), their parents are certainly not watching for the duration of the training.

Interestingly, what the girls then mentioned were the players they have played with over the years who had parents who attended training regularly. They were keenly aware of the parents who came to training, even mentioning a few of them by name. They said they felt sorry for those players.

“Why do you feel sorry for them?” I asked.

“They must have felt so much pressure” was the response.

I suppose I wouldn’t want my boss going with me on all of my appointments with clients, or the coaching director watching every single one of my training sessions.

I am sure you wouldn’t either.

___

Fonte: Soccer Parenting • por Skye Eddy Bruce

Mourinho revela que tipo de adjuntos prefere


Técnico português tem preferência por um certo perfil. 

Na longa entrevista concedida à ‘France Football’, José Mourinho revelou que não pretende um ‘yes man’ como treinador-adjunto, preferindo antes alguém que o questione e tenha ideias próprias.

“Não preciso de nenhum ‘yes man’ mas de pessoas que tenham a sua opinião. Ou mesmo de pessoas que contestem as minhas decisões e as coloquem em causa. Digo sempre aos meus adjuntos: ‘Durante o jogo vou pensar sozinho’. Não quero ninguém a dizer-me coisas. Nessas alturas, decido com o meu conhecimento e instinto. Dirijo a equipa sozinho. Em oposição, durante a semana, antes ou depois do jogos, espero que assumam o papel de treinadores, que pensem por eles mesmos e que me critiquem. Aprendi isso com Van Gaal no Barcelona”, contou o treinador do Manchester United.

___

Fonte: Record • POR

Maturação infantil e pressão parental no desporto


Não há dúvida que todos os pais querem o melhor para os seus filhos. O problema é quando os confundem com pequenos adultos, ou pior ainda, quando projectam os seus objectivos e frustrações nos pequenos, ansiando por vitórias espectaculares que eles próprios nunca vivenciaram e tentam fazer deles, pequenos campeões.

Trata-se no fundo de dois assuntos destintos que se cruzam entre si, a pressão parental e maturação infantil.

Maturação refere-se ao processo de desenvolvimento físico e psicológico de uma criança. É um processo longo, uma vez que ocorre desde a vida intra-uterina, até à formação do adulto (maturação) e é de uma complexidade extrema. Órgãos tecidos e ossos então em desenvolvimento e crescimento. Muitos factores externos podem interferir nesse desenvolvimento e crescimento, sobretudo nas fases mais sensíveis como o período intra-uterino e no salto pubertário (inicio da adolescência).

MATURAÇÃO = “Processo biológico que determina a velocidade e o momento do crescimento e que difere de individuo para individuo.” – Malina et al. (2004)

É o mesmo que dizer que os jovens crescem a ritmos e em momentos diferentes e que nem sempre a idade cronológica (a idade em anos), está de acordo com a sua idade biológica.


A esmagadora maioria dos pais, não está minimamente sensibilizado para esta “condicionante”, tratando todas as crianças como iguais e muitas vezes exigindo resultados. Mas se entende que a expressão “exigir resultados” possa ser muito forte, eu coloco então de outra forma, pode estar a exigir um empenho e um compromisso para com a modalidade que a sua criança, não só não esteja disposta a dar, como também, poderá não ter maturidade para a ter.

O desporto durante a infância e a adolescência deveria ser visto como um complemente de formação pessoal e social. Já que a maturação de um jovem pode iludir os pais no que diz respeito às capacidade desportivas do jovem.

Por mais horas que passe a treina-lo(a), por mais quilómetros que faça correr, ou pedalar, jamais será capaz de adiantar a maturação de um jovem. Quando muito irá interferir com o desenvolvimento e crescimento de órgãos, tecidos, ou ossos.

Tenha cuidado!

O mais certo e na melhor das hipóteses, será fazer a criança desistir do desporto.


Este fenómeno é conhecido também como: “dropoff”, ou “burnout”. Que é o mesmo que dizer que a fará desistir temporariamente, ou permanentemente da modalidade e do desporto.

Enquanto jovens em maturação, os resultados desportivos podem ser apenas o resultado de uma superioridade temporária, causada pelo desfasamento da maturação em comparação com os restantes jovens.

Um treinador de camadas jovens, tem também um papel fundamental na formação dos pais, sendo esta, provavelmente a tarefa mais difícil com que algum treinador tem de lidar.

Enquanto treinadores (conscientes) devemos ter bem presente que não podemos, de forma alguma, ceder à pressão parental em prol de resultados desportivos, muito menos ser-mos nós os responsáveis por essa mesma pressão (Ter em atenção quando são os próprios treinadores que pressionam os jovens por resultados e ai, o jovem é apenas “carne para canhão”).

São cada vez mais os desportos em que se procura promover uma especialização precoce e o ciclismo, pode muito bem ser um desses desportos. Deve-se entender, é em que deve constar essa “especialização precoce” e esse papel cabe aos treinadores envolvidos na formação desportiva dos jovens tendo em conta o desporto em questão.

O atropelo do estado de maturação, o abuso do jovem, pode resultar em danos irreparáveis tanto a nível físico como psicológico. Carregando essa marca pela vida fora enquanto adulto.

Não adianta pressionar, não adianta exigir, se quer, mostre como se faz. Se o fizer bem, ele, ou ela, seguir-lhe-á os passos. Lembre-se que o desporto, mesma em alta competição deve antes de mais, se um prazer para o próprio atleta.

Como pai, seja paciente, cooperante e compreensivo… Como treinador, seja coerente.

___

Fonte: Projeto PEDAL • por Pedro Silva

“O melhor treinador é o que já não é preciso.”​


Há uns anos, enquanto tirava o nível 2 do curso de treinador em Guimarães, foi-nos colocada a seguinte questão: “Como é, para ti, o Treinador Ideal?”

Recordo-me que a minha resposta foi de apenas uma frase (título deste texto) e, de tão simples que era, levou os formadores a, durante uma pausa, se acercarem de mim para me questionar sobre o alcance da minha afirmação.

“O que queres dizer com esta resposta?”, perguntou-me um dos meus Mestres, o professor Carlos Pinto. Respondi que aquela era a minha crença decorrente de mais de duas décadas como atleta e treinador. Enquanto atleta, fiz parte de equipas cujos líderes exibiam estílos de liderança distintos. Invariavelmente, os atletas revelavam maior felicidade quando lhes era conferida maior autonomia, com a correspondente dose extra de responsabilidade associada. Enquanto treinador, limitei-me a comprová-lo.

No primeiro dia de trabalho de cada uma das equipas de competição que treino, lanço sempre o mesmo desafio/objectivo: “estarmos em todos os momentos de decisão das competições em que entrarmos, sem que eu (Treinador) possa estar presente!” É assim, com este “mindset” que se iniciam todas as temporadas de equipas por mim lideradas. Que garantia me traz esta abordagem? Que os atletas percebem que não estamos a trabalhar para formar seguidores mas sim líderes. Que se o nosso objectivo é que a equipa atinja as finais e o seu treinador não pode estar presente, então terão que ser os jogadores a tomar as decisões estratégicas necessárias para atingirmos juntos o sucesso pretendido. Que este compromisso obriga a um estudo intensivo do jogo, nosso e dos oponentes, nas suas várias dimensões, por parte de todos os atletas sem excepção.

Um exemplo prático desta filosofia surgiu durante um jogo em que a minha equipa (escalão senior) se encontrava a perder por 10 pontos a menos de 5 minutos do fim, em casa, com um adversário teoricamente “acessível”. Nesse momento decidi parar o jogo pedindo um desconto de tempo. Tinha um minuto para alterar o que pensava estar errado. Com a exigência e o sentido de urgência no máximo, pedi que alterassem a estratégia defensiva para uma mais agressiva e estendida a todo o campo. Enquanto o fazia reparei que o semblante dos meus jogadores não era o que eu esperava…

De repente, o inesperado: uma cabeça ergue-se e murmura: “isso não vai resultar”… Na minha cabeça de treinador soaram todos os alarmes que possam imaginar. O desconto de tempo já ia a mais de meio e tinha um atleta a verbalizar que o plano que eu apresentava era errado! Estes são os momentos em que temos que tomar decisões rápidas e, de preferência, correctas. O que pensei para o tentar fazer foi: “eu também já estive daquele lado e achei que os meus treinadores estavam a tomar decisões incorrectas, logo, se fosse eu a fazer o que este meu atleta está a fazer, como gostaria que o meu treinador reagisse?”

Em dois segundos saiu-me um: “o que propões?” Ele explicou que a equipa estava cansada de insistir num plano que não estava a funcionar e o meu novo plano só os iria arrasar fisicamente sem melhoria dos resultados práticos. Propôs um tipo de defesa que eu não acreditava que funcionasse naquele momento. Mas, ao invés de impôr o meu plano, perguntei: “quem concorda com ele?” A resposta da equipa foi tão genuinamente unânime que não tive outro remédio que não o de lhes conferir a autonomia e a responsabilidade que me estavam a exigir: “Vão lá para dentro fazer aquilo em que acreditam e que é diferente daquilo em que eu acredito. Não vos posso ajudar mas fico a torcer por vocês. Para que me mostrem que vocês estão certos e eu errado! No final faremos a avaliação.”

Hoje, arrepio-me só de lembrar a reacção colectiva a estas palavras. Parecia que tinham todos bebido 10 garrafas de bebidas energéticas! Assim que entraram em campo, uniram-se naqueles círculos maravilhosos que as equipas boas fazem quando estão perante um problema difícil que exige o contributo alinhado de todos. Escusado será dizer que os rapazes fizeram cinco minutos de altíssima qualidade, a praticarem a defesa que escolheram na perfeição, o que permitiu conquistar mais uma difícil (e inesquecível para mim) vitória.

No final da demonstração de cumplicidade, entrega, superação, coragem, comunicação frontal e, acima de tudo, trabalho em equipa, agradeci-lhes. Dei-lhes os Parabéns merecidos e aceitei humildemente que estava errado e que o meu caminho conduziria à derrota indesejada. Porque “nenhum general pode querer vencer uma batalha contra as suas tropas”.

Nesse dia validei esta minha crença. Tive a certeza de que estávamos no caminho certo. No caminho de formar líderes e não meros seguidores. Homens que ousavam questionar o que consideravam errado e assumir a sua responsabilidade pelos resultados do fazer diferente. Gigantes com a “Coragem de Mudar”!

Essa Equipa acabou por se sagrar Bicampeã Nacional.

Nota: este texto é inteiramente dedicado ao Manuel Maia, o gigante que ousou assumir a palavra para defender os seus colegas de batalha daquilo que se provou ser um mau plano. Um Homem!

Sabe mais em http://www.mudaoteujogo.com

___

Fonte: Fernando Santos

Rondo 6vs6 en Hexàgono


Sencillo rondo en hexágono donde en 2 zonas interiores se plantea un 2vs 1.

Se juega a toque libre dentro del hexágono y a 2 toques fuera.

Adecuar a calidad técnica del equipo.

Progresar introduciendo comodines ofensivos o defensivos e incluyendo la movilidad de los jugadores por fuera a través de cualquier estímulo y en cualquier sentido.

Posibilidad de ser acción previa a un contraataque o ataque organizado en otra zona con porteros.

Ubicar en la parte principal 1 y trabajar por grupos.

Este es un ejemplo de la calidad de ejercicios que disponemos en nuestra web.

ESPERO OS GUSTE.

___

Fonte: Metodología Secuencial • Metodología secuencial aplicada al fútbol base

Uma entrevista para pais, dirigentes e treinadores. “Os atletas brincaram muito na rua e foram felizes, não se fabricaram em laboratório”

Carlos Neto é professor e investigador da Faculdade de Motricidade Humana e não há ninguém melhor para explicar como a formação desportiva em crianças e jovens deve ser feita. É que a atual, em Portugal, não está adequada às necessidades dos mais novos, explica à Tribuna Expresso, ressalvando também que é urgente formar… os pais. 


[começa a falar antes da pergunta] Bem, gostava de começar por dizer que, em pleno século XXI, o fenómeno desportivo é um fenómeno social de grande envergadura em termos mundiais, o que significa que nunca o desporto teve tanto impacto na sociedade como nos dias de hoje. Quer de um ponto de vista económico, porque é de facto uma economia gigantesca, como social, porque motiva todas as idades e credos, e ultrapassa fronteiras em todos os espaços geográficos e culturas diferenciadas. De facto tornou-se um fenómeno nunca visto na vida do homem. Significa que tem impacto ao longo da idade, desde as crianças até aos idosos, quer quanto a praticantes, quer quanto a espetadores, quer quanto aos que são agentes relacionados com o desporto, sejam treinadores, dirigentes ou formadores. É um fenómeno de facto fantástico. Hoje em dia temos imensas crianças e jovens a fazer atividade desportiva organizada e estruturada, o que significa que há uma expectativa muito forte destas crianças poderem atingir sucesso.

Tem tudo a ver com o mediatismo do desporto?

Também. É evidente que nas últimas décadas os orgãos de comunicação social são responsáveis por tornar o fenómeno desportivo altamente mediático e altamente participativo em todo o mundo e em todas as culturas. O que significa que de um ponto vista sociológico, de um ponto de vista cultural, de um ponto de vista político, a prática desportiva em crianças e jovens e adultos tornou-se de facto viral. É algo que faz parte da vida, não só em termos de objetivos de saúde, em termos de objetivos pedagógicos, mas também do ponto de vista que é o treino de alto rendimento, o espectáculo desportivo, com todos os seus ingredientes de natureza emocional, de natureza psicológica, de natureza económica, de natureza antropológica. Diria que a prática desportiva faz parte do quotidiano dos portugueses e praticamente de todas as sociedades. O que é interessante aqui analisar é a questão de como a formação desportiva em crianças e jovens deve ser feita.

Pelos clubes ou pelos pais?

Necessariamente a questão da família, a questão do clube, do local onde pratica, que também pode ser na escola. Os pais têm um papel absolutamente fundamental na capacidade de guiar os seus próprios filhos nessa prática desportiva. Nos últimos anos têm vindo a ser feitos alguns estudos no sentido de demonstrar como o comportamento parental é uma variável muito importante neste processo. É claro que podemos discutir esta questão do ponto de vista das perceções que os adultos têm do que deve ser a vida dos filhos. Normalmente os pais têm uma tendência quase patológica de querer colocar nos filhos as frustrações do seu próprio processo de desenvolvimento desportivo e querem que os filhos sejam campeões a qualquer preço, e muitas vezes esquecem-se que eles são seres humanos em crescimento, que necessitam de aprender coisas fundamentais da vida, que necessitam de um acompanhamento escolar como deve ser… E tudo isso está integrado. Significa que há aqui perceções, crenças, valores e imaginários que é preciso compreender, quer do ponto de vista das crianças e jovens, quer do ponto de vista dos pais, quer do ponto de vista dos treinadores. Esta trilogia pais-treinadores-crianças… é absolutamente importante falar nisto hoje em dia. Há um assunto que considero da maior importância, que é, como é que se dá valorização à formação desportiva dos jovens do ponto de vista de criação de valores, de cidadania.

É preciso mais desportivismo e menos competitividade?

O desporto é uma atividade absolutamente fascinante para tornar as pessoas mais cidadãs, com mais humanismo, com mais socialização e com mais capacidade crítica e mais capacidade de perceber o mundo que as envolve. Portanto há aqui constrangimentos sociais e políticos que muitas vezes são centrados numa preocupação excessiva de querer uma competitividade fora das características de desenvolvimento da criança e do jovem e por outro lado um sucesso muito rápido e a qualquer preço. Os campeões não se fazem à pressa. Tem que ser respeito o seu processo de desenvolvimento e têm que ser respeitadas as motivações intrínsecas das crianças. E há aqui algumas regras que são absolutamente fundamentais: é preciso ter tempo para crescer. Ainda recentemente, a Telma Monteiro, uma grande atleta olímpica portuguesa, dizia, porque começou a atividade desportiva de judo muito tarde, “deixem as crianças brincar”, e depois então fazer a atividade desportiva. E, de facto, é preciso que as crianças primeiro tenham uma vivência variada do seu próprio corpo, que tenham uma exploração diversa de vários tipos de atividades, que possam construir uma cultura motora básica e fundamental, que seja essencial depois para uma capacidade adaptativa a habilidades e atividades mais específicas mais tarde. Claro que isto varia muito de modalidade para modalidade desportiva, não podemos comparar a aprendizagem na ginástica aos jogos coletivos, são duas dinâmicas distintas. Mas é preciso que as crianças construam primeiro a sua própria identidade, brinquem muito na infância, consigam correr riscos, consigam fazer uma diversidade de atividades, de modo a ganharem essa cultura motora básica, que é o pré requisito para terem sucesso mais tarde, do ponto de vista de atletas.

Puxando o exemplo do futebol, atualmente fala-se muito da necessidade do futebol de rua no desenvolvimento de talentos, mas hoje em dia já não temos futebol na rua, praticamente. Como é que pomos uma criança na rua, a brincar, a subir às árvores?

Vivemos num tempo de grande sedentarismo e as crianças sofrem por isso. É um tempo de analfabetismo motor, porque elas não têm de facto uma literacia corporal adequada, porque o tempo de brincar na rua desapareceu, está em vias de extinção. As crianças hoje não têm tempo para brincar, explorar com os amigos a rua, não jogam à bola – porque uma coisa é jogar futebol, outra coisa é jogar à bola. É preciso dizer que há declínio enorme nas últimas décadas do ponto de vista de tempo e espaço para brincar. Para ter uma ideia, 70% das crianças em Portugal brincam menos de uma hora por dia. As crianças hoje têm menos tempo para brincar do que os prisioneiros nas prisões, que têm mais tempo de ócio fora das celas. Tempo, na infância, passou a ser um treino muito organizado, muito estruturado, muito limitado. Temos currículos escolares muito extensos e intensos, e a criança passa muito tempo sentada e quieta, sem mexer o corpo. É uma criança sedentária por princípio, devido ao facto de se terem criado agendas muito organizadas.


Mas a educação física na escola não tem sido permanentemente desvalorizada?

Sim, de facto tem sido completamente desvalorizada. Mas penso que há, no entanto, boas notícias, deste ministério atual e deste governo atual, porque vai ser implementada a educação física no 1º ciclo com um professor coadjuvante que ajuda o professor titular e isso é uma boa medida. Está a ser feita neste momento uma reflexão sobre os objetivos da educação em Portugal e há 30 dias para discussão pública. É uma boa oportunidade. Também foi feita uma revisão das recomendações para o ensino pré-escolar que considero absolutamente fundamental: a motricidade, o movimento, o jogo, são coisas fundamentais nessas idades porque é aí que tudo começa, isto é, a atividade física começa mais cedo do que as pessoas julgam. Não se fazem campeões a partir dos 12, 13, 14 anos. Começa antes, mas é preciso perceber qual é a conceção que se deve trabalhar nas primeiras idades.

Não se deve trabalhar em especificidade, portanto.

Primeiro deve haver uma diversidade de atividades, numa atitude lúdica, e mais tarde é que vem a especialização. Porque, repare, a criança tem direitos no desporto. A criança tem direito de expressar, em primeiro lugar, a sua individualidade. Isto é, o pai não pode impor. Quem decide? Esta é a pergunta. Os pais ou as crianças? O pai não pode impor a modalidade desportiva que o filho deve praticar, em função de alguma frustração ancestral. Não pode ser feito dessa forma. Depois as crianças devem ser tratadas como crianças e não como atletas. Deve ser respeitado o seu processo de desenvolvimento. Também devem participar de forma independente, isto é, quando fazem desporto deve ser respeitado o seu nível de habilidade e, obviamente, devem competir com os seus opositores mas em função de valores, daquilo a que se chama o fair play. Tem de haver fair play na formação desportiva, para não acontecer depois aquelas coisas desgraçadas e lamentáveis que acontecem no desporto dos adultos, ao mais alto nível. A criança deve poder decidir quais são as atividades que quer fazer. Conheço imensos jovens que começaram a fazer ginástica, depois foram para o atletismo, depois natação, depois ténis… e se calhar acabaram por ser grandes atletas no futebol, por exemplo.

Quem é muito bom numa modalidade normalmente também tem aptidão para outras modalidades.

Exatamente. Há uma cultura motora eclética, uma cultura de rua intensa e uma apropriação de habilidades muito diversificada. Os atletas de alto nível brincaram muito na rua e foram felizes, não se fabricaram em laboratório. Há aqui muitas variáveis em jogo que têm a ver com o local onde vivem, onde crescem, a identidade do lugar… Os estudos biográficos demonstram que o sucesso desportivo ao mais alto nível está diretamente ligado à qualidade de vida que tiveram na infância e à estimulação diversificada que tiveram do ponto de vista motor e do ponto de vista social. Isso é perfeitamente claro. Há crianças que são talentosas e em termos dos clubes não se pode impor desde muito cedo uma prática muito especializada sem explorar primeiro as tendências que essa criança pode apresentar. E isto não é só no desporto, também é nas áreas artísticas.

Mas, às vezes, quando os treinos são mais lúdicos dão a sensação de desorganização e há pais que depois reclamam. Preferem ver filas e obediência.

Uma das maiores prioridades que deve haver é discutir este tema, que recentemente foi promovido pela Panathlon clube, em conjunto com o Comité Olímpico: o papel dos pais no desporto. De facto, é preciso fazer formação parental. É urgente que os clubes façam escolas de formação de pais. Os pais têm de perceber que os seus filhos não podem ter um sucesso a qualquer preço. Têm de respeitar os níveis de envolvimento, têm de respeitar os treinadores e as perspetivas de aprendizagem que eles têm. Os pais têm de compreender bem primeiro que tem de haver uma educação motora básica, um saber inicial fundamental no qual se suporta uma especialização, mais tarde. É um processo progressivo que tem de respeitar várias fases de desenvolvimento. A especialização desportiva deve obedecer a níveis de desenvolvimento e de aprendizagem, a etapas de ensino no processo desportivo. Por isso, as crianças devem ter uma aprendizagem muito lúdica numa primeira fase e depois então quando consolidam essas habilidades motoras específicas é que podem treinar num sentido mais exaustivo. Aliás, há um estudo que foi recentemente publicado pela academia americana de pediatria, em que é demontrado efetivamente que os benefícios de uma criança praticar desporto são enormes, quer do ponto de vista da capacidade de liderança, do prazer que têm em fazer desporto, da autoestima, da autoconfiança, da autoregulação, do sentido de equipa, da capacidade de aprendizagem de capacidades motoras mais complexas e da socialização em pares, que é uma questão fundamental nos tempos de hoje, as crianças têm de ter amigos. Mas também é verdade que se sabe que cerca de 70% destas crianças não chegam ao mais alto nível. Quer dizer que há aqui um fenómeno no meio que é preciso que os pais tenham consciência e a sociedade em geral tenha consciência, é que dos milhares de crianças que fazem prática desportiva organizada durante anos nem todos têm sucesso, nem todos podem chegar ao topo. Quer dizer que pelo caminho perdem-se imensos e esse é um fenómeno que devia ser mais estudado em Portugal e que não está efetivamente bem consciencializado, quer por treinadores, quer por pais, quer por dirigentes, quer por políticos, que é o abandono desportivo. Há muito abandono desportivo em Portugal, provocado por métodos de treino que não estão adequados, que desmotivam as crianças, e por pressões que muitas vezes existem de pais e treinadores para que as crianças tenham sucesso, e não têm.

Neste caso o sucesso entendido apenas e só como a vitória, correto?

Exatamente. Por outro lado, também se sabe que só 30% dos desportistas, uma percentagem muito baixa em Portugal, conseguem continuar os seus estudos nas escolas. O que significa que tem de haver aqui uma preocupação de haver coerência entre o processo desportivo e a escola, porque é fundamental que o cidadão tenha uma formação mínima. E muitas vezes sacrifica-se a formação escolar pela formação desportiva. Isto tem de ser bem pensado em Portugal. As crianças não podem ser vítimas de uma expetativa social e familiar de querer o sucesso a qualquer preço, fazendo disto um negócio em que todos tenham de ser Cristianos ou Messis.


Os piores pais são esses, que querem que os filhos, ainda crianças, sejam jogadores à força toda?

Exato. Como já disse, é preciso fazer a formação dos pais e a primeira mensagem que temos de transmitir é que é importante que a criança tenha uma formação escolar, que o sucesso desportivo não pode ser a qualquer preço, que tem de haver uma variedade de atividades físicas e desportivas numa primeira fase antes da especialização… É preciso que eles compreendam isso. Se você for ver aí, não só no futebol, mas noutras modalidades, quando os pais estão a observar treinos é inaceitável o que se passa, diria mesmo que é uma vergonha. É um atentado à dignidade social e cívica das crianças. Os nomes que os pais chamam, as ofensas que fazem aos treinadores, aos árbitros, aos próprios filhos… Isto não é aceitável em lado nenhum. Quer dizer que tem de haver uma dignificação no que é a formação desportiva, porque não se pode confundir o que é o desporto de alto nível com o que é o desporto de formação. E infelizmente em Portugal tem-se discutido muito pouco, tirando as universidades, que fazem investigação, o que é a formação desportiva de jovens. E não é só no futebol, é em todas as modalidades. Hoje em dia, em todo o mundo, estão em debate duas questões essenciais na formação desportiva: a seleção de talentos e a questão da especialização. Quanto à seleção de talentos, isso já está muito discutido e sabemos que é um fenómeno multifatorial, mas quanto à especialização tem de se saber de uma forma clara, de um ponto de vista cientifíco, que é necessária uma formação motora global, primeiro, e só depois a formação específica. Diria que há quatro fases na formação desportiva: a estimulação motora, que é brincar e adquirir um repertório motor genérico; uma fase em que se associam vários tipos de habilidades e a criança começa a ter uma capacidade de organizar tarefas motoras mais complexas; depois então uma escolha de atividades desportivas até chegar à fase de transição para uma especialização motora, que implica muito trabalho, persistência e resiliência. É preciso muitas horas de prática. Repare, para se ter sucesso desportivo não basta fazer meditação, não é?

É preciso treinar.

É preciso trabalho, muitas horas de prática. E essas horas de prática roubam muito tempo a outras coisas fundamentais na vida. Há muitos atletas que perderam a sua infância e a sua adolescência, e é preciso medir bem isto na balança do que se quer na vida. Os atletas que conseguem sucesso são verdadeiros heróis, porque muitas vezes investiram toda a sua infância e adolescência num objetivo, que é ganhar uma medalha. Mas há estudos muito críticos sobre isso. Uma medalha não vale a vida de uma criança, não é? Mas, enfim, o que interessa aqui é focar esta triangulação pais-jovem-escola. A política desportiva de formação tem de ter em atenção que as crianças e jovens têm direito ao seu desenvolvimento normal, como qualquer cidadão praticante de desporto, e que há que haver um balanço entre a prática desportiva e o tempo escolar.

Há tempo para tudo?

Em Portugal há muitas famílias que vivem um verdadeiro inferno a gerir a vida dos filhos entre o tempo escolar e o tempo de prática desportiva nos clubes, e é preciso suavizar isto. Diria, por exemplo, que é preciso não atirar as culpas todas para cima dos pais, porque de facto a forma como em Portugal se gere o tempo de vida é algo que é inconsistente do ponto de vista dos modelos de qualidade de vida das famílias que existem na comunidade europeia. Porque nós temos pais cansados, que trabalham demasiadas horas e que têm pouco tempo para os filhos. Há uma falta de harmonização entre o tempo de trabalho, o tempo passado na escola e o tempo passado na família, para além do tempo passado no clube. No meu prédio vejo crianças a chegarem a casa às onze da noite, vestidas a rigor dos treinos, e os pais completamente exaustos, e se calhar ainda vão fazer os trabalhos de casa e no outro dia às 7h da manhã já estão a sair de casa. Portanto isto atingiu uma dimensão patológica. É preciso suavizar isto e fazer uma prática desportiva humanista, com uma perspetiva de poder respeitar os direitos da criança no desporto mas também o direito à vida, ao prazer, a ter sucesso escolar. Veja-se o que acontece nas camadas jovens, nos infantis, nos iniciados, nos benjamins, com aquelas classificações todas que existem, em que as crianças já fazem uma competição como se fossem adultos. Acho inaceitável ver crianças a aprenderem a ser guarda-redes com quatro anos de idade, por exemplo. Isto é um disparate conceptual. Os modelos que existem de formação desportiva nos clubes têm de ser repensados. Têm de haver formação especializada para os dirigentes, para os pais, mas também para os treinadores, porque tem de ser perceber o que é uma criança e um jovem em desenvolvimento. Nós precisamos, com as federações, com as associações, com as próprias instituições do Estado – estou a falar do Instituto do Desporto…

Os cursos de treinador em Portugal foram remodelados há pouco tempo.

Sim, já houve coisas interessantes que foram feitas, mas ainda falta fazer muitas coisas. Porque depois temos no desporto um ciclo de influências muito complexo que vai desde a perspetiva dos media até à perspetiva do país em relação ao número de medalhas, ao número de atletas, ao sucesso. Mas nós não podemos ter medalhas fruto do acaso, como tem sido até aqui. Isto tem de ser visto como um sistema que tem de ser bem pensado, sob um ponto de vista de formação de base, de formação intermédia e de formação especializada. E depois há os pais que, como já disse, têm de ter formação.

Um “mau” pai será aquele que pergunta ao filho “ganhaste?” e um “bom” será o que pergunta “gostaste do jogo?”

Sim. Nós temos normalmente quatro tipos de comportamento parental. Temos os pais desinteressados, que têm algumas vantagens – eu sou desse tempo, o meu pai não sabia bem qual era a minha vida desportiva na escola e no clube -, depois temos os pais mal formados, que têm uma visão errónea do desporto e às vezes comportam-se de forma inaceitável de um ponto de vista verbal, não verbal, de pressão sobre as crianças, os treinadores e os árbitros. Depois temos os pais excitados, que se colocam excessivamente na vivência do desporto dos próprios filhos. E depois temos os pais fanáticos, aqueles que querem o sucesso a qualquer preço. Temos vários comportamentos. Há pais que são excessivamente críticos, muito exaltados, aquilo que chamamos de treinadores de bancada. Outros são super protetores e hoje o maior drama da sociedade é a super proteção. Esta super proteção não dá autonomia às crianças e aos jovens. São muito controlados. Isto acontece na escola e no clube. Nós temos hoje muitas crianças que até têm alguma aptidão motora mas depois são demasiadamente frágeis do ponto de vista emocional e cognitivo, porque são super protegidas. Os pais levam-nas aos treinos, vão lá buscá-las, observam tudo o que se passa, perguntam tudo o que acontece… A criança é uma vítima, de algum modo, e não tem autonomia. Para se ter sucesso desportivo é preciso ter-se autonomia, capacidade crítica, capacidade criativa e inovadora. Para se ser campeão tem de se ser também, de algum modo, caótico. Quero crianças e jovens ativos, impertinentes, que façam perguntas, que tenham motivação, que tenham objetivos. Quero crianças selvagens no desporto, porque são essas crianças selvagens que vão ser os verdadeiros campeões do futuro. Não podem ser totós. Nós hoje temos crianças que são rejeitadas pelo próprio sistema desportivo, porque não têm jeito, porque são gordinhas, etc. E isso é muito mau, porque é o reflexo de uma contradição que está a acontecer no desporto e na escola em Portugal, que é por um lado haver uma super proteção dos pais e ao mesmo tempo quererem que eles sejam génios. Esta super proteção é uma das maiores pragas que temos hoje na formação de crianças e jovens no mundo escolar e desportivo.


Quando os pais não os podem levar de carro, há jovens que dizem que não podem ir ao treino.

Que vão a pé. Neste momento o sucesso comanda o processo – e não pode ser. Tem de se respeitar outras coisas, como já disse. Uma formação correta e bem fundamentada do ponto de vista pedagógico, científico e técnico, daí ter de haver formação de treinadores, havendo também formação sistemática nas federações, associações e clubes, com estratégias bem delineadas do que deve ser o perfil de formação em todos os escalões e em todas as fases de desenvolvimento da criança. Ter muito atenção ao abandono desportivo, estudar as razões do abandono, se as crianças quiserem desistir têm esse direito, mas não se podem expulsar a qualquer preço as crianças que não têm jeito. A questão que se coloca da dispensa deixa algumas crianças traumatizadas para toda a vida pelo facto de terem criado uma expectativa que depois não se realiza e ninguém se preocupa com isso, só se preocupam em formar os talentos. Então e aqueles que desistem? É preciso repartir o tempo passado no clube e o tempo passado na família, porque as crianças têm direito a estar com os pais e a ter tempo livre. Em Portugal não houve coragem política até agora de fazer esta harmonização do tempo. Porque se você for a qualquer país nórdico vê que às 16h30 sai toda a gente e vão todos buscar os filhos à escola, todos têm tempo. Aqui, um indivíduo que trabalhe mais do que 12 horas se calhar é considerado um indivíduo altamente competente – e é tudo ao contrário. Não estão a ser respeitados os tempos de sono e de lazer, e está a sacrificar o tempo em benefício do trabalho. E quem paga isto são as crianças e os jovens, porque os pais não têm tempo para eles e eles não têm tempo para brincar. Nós fizemos aqui um estudo recente na FMH sobre a formação desportiva e o bullying, a violentação que acontece entre pares no clube. É uma amostra gigantesca de todas as partes do país, do sexo masculino, em várias modalidades, e verificámos que no contexto desportivo há de facto bullying e isso é muito preocupante. Isto acontece principalmente no balneário, onde não está ninguém e aí os treinadores e pais não têm acesso. Encontrámos 11,5% de agressores e 10% de vítimas, o que é elevadíssimo. E essas crianças dificilmente comunicam o bullying aos adultos. Estas crianças que sofrem bullying no clube mais cedo ou mais tarde abandonam. Fizemos também uma retrospetiva com atletas de alto nível para identificarem situações de bullying no seu processo desportivo. Temos neste momento um projeto com o IPDJ que é o cartão vermelho ao bullying e estamos a criar um projeto dirigido à formação desportiva com linhas condutoras para os treinadores, pais e dirigentes.

Se os clubes identificarem que a criança não está a ter sucesso escolar devem falar com os pais e castigá-la no âmbito desportivo?

Não tem de haver castigos. Acho que tem de haver coerência e diálogo entre os treinadores e os pais, na regulação e no acompanhamento que as crianças devem ter no ponto de vista do treino e no ponto de vista da escola. Não estou a falar das academias onde as crianças já ficam a dormir, com uma grande estrutura que dá apoio. Estou a falar de uma forma mais genérica. Os estudos internacionais mais recentes têm vindo a demonstrar que a tendência é desvalorizar a escola a favor do sucesso desportivo. E nós temos de resolver este assunto, porque a criança tem direito de ser um cidadão bem formado e não se pode dimunuir a a importância da sua formação escolar. Tal como comecei a dizer-lhe no início, o desporto é um fenómeno de grande envergadura atualmente, mas tem depois aspetos muito negativos.

Como por exemplo?

Não lhe posso contar casos concretos que conheço, mas há pais que sacrificaram toda a sua vida para que os filhos tivessem êxito. Mudaram de residência, mudaram de país, endividaram a sua própria vida e depois acabou tudo mal. Há também a situação absolutamente chocante de africanos que vêm para a Europa para fazer desporto de alto nível e que ficam abandonados nas ruas, esquecidos, porque não tiveram êxito. É uma verdadeira vergonha europeia. Até com crianças de sete, oito, nove anos já se fazem contratos porque se pensa que vão ser grandes talentos. E isso acontece um pouco por todo o mundo. O fenómeno tem um lado sagrado, mas também tem um lado perverso. Por exemplo, qual é o nível de participação das crianças na sua formação desportiva? É tudo imposto. Tal e qual como nas escolas, onde têm de estar sentadas, quietas e a ouvir professores cansados, velhos e chatos. O que é que elas gostariam de fazer no treino? Algumas vez os treinadores ouvem as crianças? Os pais ouvem os próprios filhos? A formação de crianças e jovens em Portugal é de uma visão autocrática e isto é mau, porque as crianças do século XXI mereciam outro respeito e um processo mais democrático. Haveria mais participação, um melhor ambiente, mais entreajuda… como acontece nos países que já o fazem de forma mais adequada, como o Canadá e alguns países nórdicos. As crianças não são atletas em miniatura. Eu posso fazer um campeão à martelada. Se repetir exaustivamente, eu chego lá. Só que ele não vai ser criativo, não se vai adaptar, vai morrer cedo. Se eu fizer um atleta inteligente, dinâmico, com capacidade adaptativa, esse é que vai ser um bom atleta, e quero na formação um modelo que forme estes atletas. O Cristiano Ronaldo é um caso exemplar. Vem de uma família pobre, vivenciou muito a sua infância na rua, foi para um clube, teve a sorte de ter uma boa condução no desporto, tem uma boa capacidade pessoal de trabalho parar ter sucesso. Não há milagres no desporto, é preciso muito trabalho. E para uma criança ter muita resiliência é preciso ter uma grande capacidade de autoregulação emocional, autoconfiança e autoestima. Hoje há muitos fatores a jogar contra as crianças, como já dissemos. Elas não têm tempo para ser selvagens. Para se ser um atleta de alto nível tem de se ser selvagem no decorrer da infância e da adolescência. Isto é um bocadinho agressivo, sei que é perigoso o que estou a dizer, mas eu não quero crianças totós no desporto. Quero crianças com uma grande vivência física e emocional, que sejam impertinentes e resolvam problemas. Crianças com energia. Não quero crianças obedientes. É como os meus alunos. Em 40 anos de aulas aprendi isso. Aquela criança que está quieta e em silêncio, à espera que eu a comande… isso não tem sentido. E no desporto começa a passar-se isso.

Mas é muito isso que se valoriza hoje em dia, a obediência e a quietude.

Está a acontecer uma espécie de fabricação de campeões em laboratório, o que é uma ilusão. Tem de haver um trabalho correto ao nível do clube, da escola, do desporto escolar, da educação física… Porque o trabalho no clube e no desporto escolar é para os que têm mais jeito, mas a educação física é para todos. Mas em todos estes casos há que respeitar as tais etapas de desenvolvimento das crianças e dar-lhes autonomia e liberdade de participação. Creio que o desporto em Portugal tem de ser repensado nesta perspetiva, tal e qual como a escola tem de ser repensada e até os clubes – ou seja, todos os locais onde se pratique desporto organizado e intencional. Não é só a escola que precisa de reforma, é necessária também uma reforma na formação desportiva em Portugal. Digo isto com toda a convicção. Dou aulas aqui na universidade e vejo como é que os meus alunos vêm dos clubes. Na formação desportiva o objetivo não é focarmo-nos no produto, marca, resultado, medalha. Temos de nos centrar na qualidade do processo de treino e de formação. Se não o que acontece é que as crianças sofrem e desistem, porque temos um modelo centrado na cabeça dos adultos, centrado em atingir o sucesso a qualquer preço. Mas, como disse, não se fazem campeões à pressa. Qual é a criança que não gosta de brincar? Qual é a criança que não gosta de explorar a sua envolvente? Qual é a criança que não gosta de ter amigos? Qual é a criança que não gosta de ter autonomia? Qual é a criança que não gosta de sair de lá feliz? Qual é a criança que não gosta de correr riscos? É que às vezes nos clubes está tudo sistematizado, tudo organizadinho, e não há nenhum risco a correr. Assim não se faz formação. Como é que vamos resolver isto? Tem de haver uma grande intervenção por parte da tutela, com políticas desportivas bem sistematizadas, no sentido de produzir documentos e informação. Temos de repensar a formação desportiva em Portugal e eu sei que o que estou a dizer vai ser muito criticado e vou levar muita pancada, mas eu digo: a formação desportiva em Portugal precisa de ser remodelada. Ainda ninguém em Portugal pensou como se faz a formação de pais. Os clubes devem ter regulamentos em relação aos comportamentos dos atletas mas também em relação aos pais. Há clubes no estrangeiro em que se os pais têm um comportamento inapropriado, a criança é expulsa do clube. Tal e qual como precisamos de uma reforma do sistema educativo para uma visão mais humanista, nós precisamos de uma revisão do sistema de formação desportiva numa perspetiva mais respeitadora dos direitos das crianças e dos jovens. Esta agora foi bem dita, não foi? [risos]

___

Fonte: Tribuna Expresso POR • por Mariana Cabral

O quanto sua equipe tem se aproximado de cumprir a lógica do jogo?

A partir da lógica do jogo são pensadas e estruturadas todas as atividades seguindo uma evolução de complexidade e uma progressão pedagógica das atividades.

Olá, caros leitores! Antes de iniciarmos a discussão, é preciso que entendam que o objetivo deste texto não é conceituar o que é a lógica do jogo, tal assunto já foi abordado por outros autores nesta casa (como no texto de Rafael Ferreira mais recentemente) e amplamente discutido e conceituado no meio acadêmico por autores como Scaglia, Leitão, Garganta e Castelo. Partindo destas discussões e estudos, e aliado à minhas experiências de vida com o jogo, entendo como mais adequada a definição de lógica do jogo, no futebol, como sendo: marcar mais gols que o adversário.

Sendo assim, é coerente que meus treinos e jogos sejam pautados no intuito do cumprimento desta lógica, pois é isto o que, no meu entendimento, irá nos aproximar das vitórias. E claro, digo aqui sobre a lógica do jogo, e não a de minha atuação profissional como educador e formador de jogadores de futebol. A minha lógica profissional, moral e ética, não me permite buscar a vitória a qualquer custo, em detrimento da formação humana e atlética de meus jogadores.

Dados estes apontamentos, e sobre também a sua concepção de lógica do jogo, retomo a pergunta que dá o título ao texto: O quanto sua equipe tem se aproximado de cumprir a lógica do jogo?

Como já apontei meu entendimento de lógica do jogo, um dos parâmetros determinantes na construção dos meus treinos é o incremento da competição, da disputa pela vitória. Seja qual for a atividade que eu vá realizar, busco sempre criar uma competição entre os atletas, seja ela individual ou coletiva. Vejamos o exemplo da seguinte atividade.


Uma atividade simples, que muitos de vocês realizam ou já realizaram. Porém, dada a minha preocupação em sempre estimular os atletas a vivenciarem a lógica do jogo nos treinos, faço um pequeno incremento nesta atividade, além da descrição e dinâmica que estão apresentados no vídeo (basta clicar na imagem que possui um link para o vídeo), digo a eles que estão divididos em grupos de 5 atletas, cada grupo em um quadrado e que aquele grupo que conseguir trocar uma maior sequência de passes sem erros, vencerá a disputa.

Com este pequeno aditivo de regra na atividade, busco catalisar o caráter competitivo do jogo e de cada atleta. Nenhum deles vai querer perder o jogo, todos querem sair vitoriosos e irão se esforçar para isso. Fazendo isso, busco elevar os atletas a entrarem em estado de jogo (aspecto importante e tema para outra coluna), a terem concentração e foco total naquilo que estão realizando, e a buscar fazer mais pontos que o grupo adversário, ou seja, buscar empenhar-se ao máximo para cumprir a lógica do jogo! E ainda estarei trabalhando os fundamentos técnicos de passe e domínio.

Agora, transpondo esta atividade para o jogo de futebol, onde simplesmente realizar uma grande sequência de passes não irá se traduzir nos gols necessários para vencer a partida, preciso através de minha didática e dentro de uma sequência pedagógica, mostrar que a ferramenta do passe, irá contribuir para que cumpramos a lógica do jogo. Vejamos mais um exemplo.


Nesta outra atividade o fundamento do passe, trabalhado na atividade anterior, será fundamental para vencer a partida, pois através dele a equipe tem a oportunidade de qualificar ainda mais o seu gol e, porém, diferente da atividade anterior, somente através da troca de passes, não é possível vencer o jogo. E por isso é preciso se atentar a progressão pedagógica dos treinos, nesta atividade as equipes precisam progredir ao gol adversário, finalizar e marcar gols, somente assim irão se aproximar da vitória.

Nesta atividade o passe se torna ferramenta para o cumprimento da lógica do jogo e não um fim em si mesmo. Por isso a regra de pontuação a cada finalização com defesa incompleta do goleiro (que irá caracterizar uma finalização de risco ao adversário e/ou falta de concentração do goleiro em suas ações) visa estimular os atletas a buscar o cumprimento da lógica do jogo, marcar mais gols que o adversário. Do contrário, uma equipe poderia adotar como estratégia, somente ficar trocando passes sem objetividade ou intencionalidade de progredir e atacar o alvo adversário, isso poderia acontecer neste jogo se, além de dar pontos para gols e finalizações, eu também desse pontos para as trocas de passes. Mas como os passes dão a chance de aumentar a pontuação quando a equipe fizer um gol, busco estimular os jogadores a terem a finalidade de sempre buscar o gol como objetivo principal.

Todas as atividades são pensadas e estruturadas a partir da lógica do jogo, respeitando os objetivos principais da categoria, das ideias de jogo do clube e o nível de desenvolvimento dos jogadores, seguindo uma evolução de complexidade e uma progressão pedagógica das atividades.

E como dito, não é buscar a vitória a qualquer custo, os feedbacks e as reflexões junto aos atletas sobre cada treino são valorizar o empenho, caráter, a justiça e honradez na busca da vitória, além, claro, de levar ao entendimento das atividades e ideias de jogo que proponho. Sou adepto da crença de que melhores pessoas serão melhores jogadores.

Caro leitor, busquei trazer estes exemplos e refletir sobre o assunto da lógica do jogo mostrando como nossas ações podem nos aproximar ou distanciar dos objetivos a que nos propomos. Longe de querer trazer a fórmula mágica para as vitórias, mas, através deste texto, instigar para que você reflita se suas atitudes têm aproximado sua equipe do cumprimento da lógica do jogo a que se propõe, se estão condizentes com os seus objetivos. Aguardo seus comentários para que possamos debater mais sobre o assunto!

___

Fonte: Universidade do Futebol • por Danilo Benjamim

O PORQUÊ DE SER TÃO DIFÍCIL MODIFICARMOS COMPORTAMENTOS

O nosso cérebro foi programado de forma a resistir à mudança. Tudo o que seja modificar hábitos e/ou comportamentos torna-se um grande desafio para qualquer ser humano.

Isto acontece porque o nosso cérebro interpreta o estarmos vivos a todos os comportamentos e/ou hábitos que temos. Modificá-los poderá significar perigo para a homeostasia do próprio organismo, poderá significar a morte.

Quando estamos perto de uma mudança começamos a sentir algo dentro de nós que não nos parece natural, é desta forma que o nosso corpo comunica connosco.

Por outro lado, por vezes sentimos a urgência imediata de modificarmos um determinado comportamento e/ou hábito. Isto acontece quando sentimos dor.

A dor é a melhor forma de provocar mudanças em qualquer animal, seja ele racional ou irracional.

Quando comemos um alimento que nos vai provocar uma imensa dor de barriga, a probabilidade de voltarmos a ingerir esse mesmo alimento é quase nula, pelo menos durante um determinado tempo. Ficamos ‘motivados’ para evitar esse alimento, pois ele criou um mau estar ao nosso corpo. A partir desse momento associamos esse alimento como perigoso para nós, provocou-nos dor.

Para a maioria de nós, a nossa alimentação não é uma clara preocupação nos nossos tempos de adolescentes, mas com o passar do tempo, começamos a sentir as consequências de uma alimentação descuidada, seja na estética das nossas curvas ou na própria saúde do nosso corpo. Um médico dizer-nos que se continuarmos a comer alimentos ricos em sal nos poderá provocar um ataque cardíaco a qualquer momento poderá significar a associação de dor à ingestão desses alimentos, ‘motivando-nos’ imediatamente a retirá-los das nossas dietas.

Por vezes necessitamos de modificar alguns comportamentos e/ou hábitos e sabemos-los mesmo antes de sentir qualquer dor. Sabemos racionalmente que se continuarmos com aquele tipo de padrão de comportamentos, iremos estar a limitar-nos nos tempos futuros.

Mas mesmo sabendo que temos que mudar, esta não acontece, o nosso cérebro não nos deixa, é mais forte que nós.

NOSSO CÉREBRO

De uma forma simplificada, o nosso cérebro é constituído por duas partes: uma parte racional, o córtex cerebral, responsável pelas operações mais complexas que envolvem linguagem e pensamento; uma segunda parte emocional, o sistema límbico, responsável pelas emoções e por certos comportamentos necessários à sobrevivência do ser humano.


O sistema límbico é muito mais rápido no processamento de informação e acção, relativamente ao córtex.

Quando tentamos modificar um comportamento, racionalizando em demasia, o sistema límbico entra em acção e consegue sabotar qualquer mudança de comportamento. A não ser que sejamos rápidos a modificar o comportamento…

REGRA DOS 5 SEGUNDOS

No livro “5 second rule”, Mel Robbins apresenta-nos uma estratégia para evitar que o sistema límbico entre em acção de forma a sabotar as mudanças que conscientemente queremos realizar.

Utilizando a metáfora dos lançamentos da NASA, a autora diz-nos para utilizar a contagem decrescente característica destes eventos mas utilizando somente 5 segundos. No final da contagem temos que começar a modificação do comportamento, caso contrário o nosso cérebro irá sabotar a nossa ‘motivação’, mantendo-nos iguais.

De uma forma simples, se pensarmos que queremos ir ao ginásio devemos utilizar a contagem decrescente de 5 segundos saindo imediatamente de casa.

Isto acontece porque ao efectuar-mos esta contagem decrescente desviamos a nossa atenção/foco para a nossa parte racional, evitando por momentos que o sistema límbico entre em acção, havendo então uma janela de oportunidade para fazermos o que pensamos. Mas a partir dos 5 segundos, perdemos a ‘motivação’, pois o sistema límbico entra em acção.

Outra forma de se modificar um comportamento, é a de associarmos uma grande quantidade de dor ao comportamento que queremos modificar (por exemplo comendo todos os dias alimentos ricos em açúcar) e o de associar uma enorme quantidade de prazer ao novo comportamento (uma alimentação mais cuidada).

Esta última estratégia torna-se bastante dolorosa para certas pessoas sendo evitada até ao ponto que não conseguem fugir mais dos problemas que os seus comportamentos não saudáveis provocam, só ai se sentem ‘motivados’ para mudar.

Cabe a cada um saber como o seu cérebro funciona, utilizando isso a seu favor.

Modificar comportamentos não é tarefa fácil para o ser humano, mas não é impossível. Basta aplicarmos o conhecimento que temos do nosso corpo e aos poucos indo modificando os nossos comportamentos e/ou hábitos em direcção ao que achamos mais saudável.

A regra dos 5 segundos é uma das estratégias que pode ajudar na modificação de comportamentos.

___

Fonte: João Miguel Parreira • Agir com Conhecimento

Effect of player substitutions on the intensity of second-half soccer match play / O efeito das substituições realizadas no segundo tempo da partida na intensidade de jogo de futebol (artigo científico)











___

Fonte: Effect of player substitutions on the intensity of second-half soccer match play / O efeito das substituições realizadas no segundo tempo da partida na intensidade de jogo de futebol (artigo científico) PDF